3DSMobilePCPS3PS4VitaWii UXbox 360Xbox OneNINTENDOXBOXBATTLEFIELDMARIOWIIUPRIMEIRA PESSOASMASH BROSYOUTUBEFLIPERAMATORNEIOONLINEHISTóRIASPUCONMIIPOP CULTUREMATTELHOT WHEELSCHILEKING OF FIGHTER 97PC GAMER

Análise



Análise | Detroit: Become Human

Androides que valem mais que muitos humanos :P

Wagner Alves
23/07/2018 10h00

A Quantic Dream vem se superando a cada jogo lançando, numa evolução continua desde Indigo Prophecy (Fahrenheit). Detroit: Become Human já mostrava potencial desde o primeiro vídeo: "Project Kara" (ainda me arrepio vendo esse trailer), mesmo sendo uma tech demo de PS3 de 2012 (se não me falha a memória) já era o suficiente para te convencer que dali vinha algo bom e foram longos anos no aguarde. E a cada trailer ou gameplay liberado você via o desenvolvimento crescer, melhorar... e com isso o Hype cada vez mais lá em cima. E bom vamos ver se essa espera valeu a pena.

História

O ponto forte do Detroit é a história e a suas possibilidades. O ano é 2038 e vivemos a história de três androides: Connor, um androide detetive da Cyberlife (empresa responsável pela fabricação dos androides) que auxilia os policiais humanos nas investigações contra divergentes, que por sua vez são androides que acabam burlando seu sistema e ganhando autonomia; Kara: uma androide cuidadora, que trabalha numa casa onde seu dono é um drogado e que acaba descontando seus transtornos na sua filha; Markus: inicialmente um androide cuidador, mas que irá se tornar o líder da revolução dos divergentes. E assim vamos transitando na história de um investigador, querendo saber o motivo da aparição de tantos divergentes e como para-los, por que isso é maleficente a sua empresa. Passando por uma androide que sente algo por um criança, com um senso de família enorme e um revolucionário. Seguindo caminhos que vão se cruzando em algumas partes, outras não, ate se chocarem no desfecho. Mas o melhor é a sutileza dos detalhes, você saber que toda ação tomada no jogo implicará em algo bom ou ruim, mas haverá consequência, isso deixa o jogo único para cada jogador, que acabará vivenciando a sua própria história dentro do game.

Jogabilidade

A jogabilidade segue a fórmula Quantic Dream, podemos dizer que jogamos um filme interativo, tanto pela riqueza do enredo, quanto pela mecânica do game. A cada capítulo, por se tratar de androides, podemos escanear o cenário para ver os afazeres e os diálogos disponíveis ali, tendo sempre os objetivos principais e o secundários, uma ação ou resposta pode mudar tanto a atual situação como as futuras, abrindo novas possibilidades de história. Temos também "Quick Time Events", alguns com um tempo razoável para reação, outros muito rápido mesmo, para você responder sem ter tempo de pensar na consequência. De uma forma geral tudo flui bem.

Gráficos e Trilha Sonora

Os gráficos desse jogo são primorosos, são muito bem feito, a ponto de assustar de tão belo. Mas alguns vão dizer que isso era o mínimo já que o jogo é focado mais na história do que no gameplay em si. Mas ainda sim, não tem como não ficar boquiaberto com o trabalho feito nesse game.

A trilha é muito digna e ela dita o ritmo das situações, fazendo suas emoções subirem e descerem de acordo com o que ocorre. Ela torna o jogo mais imersivo, sabendo dar o tom de esperança, medo, tristeza, perseverança e afins, na hora certa. E não tem como falar da belíssima dublagem, que ajuda a tornar esse game mais imersivo, um jogo na sua língua materna (desde que seja bem feito) é bom demais. Temos a presença de várias vozes de peso, como: Mauro Ramos, Wendel Bezerra, Vágner Fagundes, Flora Paulita, Alfredo Rollo, entre outros.

Replay

Por se tratar de um jogo cinematográfico, pode ate se pensar que é aquele game que terminarei uma vez e pronto, mas a possibilidade são tantas que você fica instigado a saber o que aconteceria em tal situação se você tivesse agido de outra forma. E você vai jogar de novo pra ver as outras possibilidades, certeza, para isso o game te ajuda mostrando sempre ao final de cada capítulo a "árvore de possibilidades", alguns chegam a ter mais de 6 finais possíveis. Além da galeria disponível com muito conteúdo bacana para ser aberto, são eles: artes conceituais, trailers, making of, trilha sonora, modelos 3d de todos os personagens e afins. Ou seja, você vai passar boas horas atras dos diversos caminhos e dos extras.

Veredito

Detroid é um bom game, com uma boa história que aborda diversas coisas na suas entrelinhas e que é boa de se vivenciar, de se jogar, de passar por essa experiência, não tem como você não se cativar e se por no lugar de pelo menos um dos personagens nas diversas situações. É um jogo cheio de emoções. Recomendo muitíssimo a todos que procuram uma boa história e uma experiência diferenciada e imersiva.

Prós:

  • História
  • Imersão e possibilidades disponíveis
  • Dublagem

Contras:

  • Jogabilidade padrão da empresa



Agradacemos a Sony pela cópia do game cedida para a realização desta análise.

AvaliaçãoNota
História 10
Jogabilidade 7
Visual 10
Áudio 10
Replay 8

NOTA FINAL

9.00

Veja também

Parceiros

Monster Hunter World BrasilArena GamerFacebookYouTube